quarta-feira, 18 de março de 2009

Futurus nostri lingua

video

Uma das principais justificativas para o acordo ortográfico, firmado entre os oito países de língua portuguesa em 1990 que entrou em vigor em janeiro deste ano, é que o fim de várias grafias proporcionará maior visibilidade a língua portuguesa. Já que é o sétimo idioma mais falado no planeta. Espera-se que esta reforma ortográfica venha contribui para sua afirmação no cenário geopolítico mundial.

As novas regras ortográficas começou a valer no dia 1º de janeiro através do decreto assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o período de transição para que o povo brasileiro possa adaptar-se as novas regras, vai até 2012, coexistiram como validas as duas formas de escrever: a antiga e a nova.

A língua é um importante instrumento político, esperamos que esta reforma ortográfica facilite a difusão e o ensino do português no mundo. No sistema de certificação internacional não é aceita a ortografia do Brasil. Nos documentos internacionais se faz uma versão com a ortografia de Portugal e do Brasil", explica o professor de lingüística da USP (Universidade de São Paulo) José Luiz Fiorin, integrante da Colip (Comissão para Definição da Política de Ensino-Aprendizagem, Pesquisa e Promoção da Língua Portuguesa). Ligado ao Ministério da Educação, o Colip tem a função de formular e coordenar as políticas para a língua portuguesa no Brasil e no mundo.
Ao todo, são cerca de 230 milhões de falantes --a maioria no Brasil, que tem 185 milhões de habitantes. Apesar de ser língua oficial em oito países, na prática há somente duas variantes de ortografia: brasileira e portuguesa. Os demais países adotam o modelo de Portugal.
As mudanças atingem em menor escala a grafia utilizada no Brasil: aproximadamente 0,5% das palavras, enquanto em Portugal chegam a 1,6%.